Início Pecuária Agricultura Aquicultura Horticultura TV Criar e Plantar

Busca no Site

Seções

Faisão


Iniciando a criação

Ao dar início à criação de faisões, o produtor deve selecionar as raças a serem exploradas e optar por comprá-los com um dia de vida adulta. É recomendável adquirir a ave ainda filhote, pois além de ser mais barato, o criador já começa a aprender algumas técnicas de manejo. O local destinado para as instalações dos viveiros deve ser de fácil acesso, com luz e água potável. O criador deve contar com um sistema de incubação para os ovos. Se preferir, utiliza galinhas chocadeiras ou incubadoras industriais.

Na primeira semana de vida, os faisões são muito sensíveis, principalmente ao frio. Portanto, alguns cuidados com as pequenas aves são imprescindíveis. A temperatura nunca deve estar abaixo do ideal para cada fase, pois temperaturas desreguladas podem causar a morte dos animais. Nas primeiras semanas de vida, os filhotes devem ser mantidos em galpões fechados, em círculos de eucatex. O piso deve ser feito de serragem branca e no local serão colocados bebedouros automáticos e bandejas de alimentação.

Se o produtor optar por adquirir aves adultas, é preciso que fiquem isoladas, pelo menos, durante uma semana. Após esse período, se nenhuma doença for identificada, elas poderão ser introduzidas no plantel. Toda a área deve ser mantida livre de predadores como cachorros, gambás, raposas e gaviões.

Obs. O ovo da faisoa colchicus pesa, em media, 33 gramas e medem 36 milímetros de largura e 46 milímetros de comprimento. Sua cor é uniforme e varia entre o creme e o verde acinzentado.

A temperatura deve ser regulada conforme a idade dos animais:
Primeiras 48 horas - 38 graus
Primeira semana -33 a 35 graus
Segunda semana - 30 a 32 graus
Terceira semana - 26 a 29 graus
Quarta semana - 23 a 25 graus

Após esse período, a temperatura deverá ser reduzida gradualmente até chegar na temperatura ambiente.

Atenção:

Não se deve entrar no viveiro à noite , com lanterna acesa. Isto poderia causar um suicídio coletivo.

Até os 90 dias de idade, os faisões são muito sensíveis ao frio e aos ventos fortes. Após os 3 meses de vida, os faisões destinados ao abate podem ser colocados em viveiros abertos, telados, expostos quase que diretamente às chuvas, sol ou geadas.

As únicas proteções efetivas se resumem em uma cobertura de sapé, que protege metade do viveiro e uma parede fechada, voltada para o lado sul, que quebra os ventos frios e fortes provenientes desse quadrante.

Além disso, basta fornecer tratamento e alimentação adequados e conservar o solo o mais seco possível.

 

 

 

Infra-Estrutura

(instalações, equipamentos, maquinários)

Para a criação de faisões são necessários, basicamente, 6 tipos diferentes de instalações, desde o recém-nascido até o adulto.

1) Caixa de criação nº 1

Para filhotes de 1 a 8 dias, que precisam de muito aquecimento e maiores cuidados na alimentação.

Dimensões: 1,00 x 1,00 x 0,30 m de altura (para 50 filhotes). O aquecimento pode ser feito com uma campânula ou por 2 lâmpadas de 60 watts.

2) Caixa de criação nº 2

Para filhotes de 9 a 23 dias, que também precisam de muito calor e cuidados na alimentação.

Dimensões: 1,20 x 1,00 x 0,35 m de altura (para 50 filhotes). O sistema de aquecimento é o mesmo da caixa nº 1.

3) Caixa de criação nº 3

Filhotes de 24 a 45 dias.

Dimensões: 1,20 x 1,50 x 0,45 m de altura (para 50 filhotes).

Cuidados idênticos aos anteriores.

4) Viveiro de criação nº 1

Aves de 46 dias a dois meses de idade.

Dimensões: 4,00 x 5,00 x 1,50 de altura, fechado no teto e nas laterais.

Aquecimento através de campânula ou de várias lâmpadas de 60 w espalhadas pelo viveiro.

5) Viveiro de criação nº 2

De 61 a 79 dias, o criador poderá transferir os 50 faisões para um viveiro totalmente telado, com cobertura no teto, mas sem proteção nas laterais, não sendo mais necessário o aquecimento artificial.

6) Viveiro de engorda ou de reprodutores

Aos 80 dias de vida, os faisões destinados ao abate podem ser soltos em viveiros totalmente telados, sem cobertura, a não ser no teto e laterais. O importante é que o solo permita boa drenagem das águas de chuva.

A ração, o verde e a água de beber devem ficar protegidos das intempéries.

Email:
Senha:


Esqueci Senha
Cadastre-se
Receba as notícias
© 2001 - 2013 Criar e Plantar - Todos os direitos reservados