Início Pecuária Agricultura Aquicultura Horticultura TV Criar e Plantar

Busca no Site

Seções

Ovino


A lã

É o mais importante produto da exploração extensiva de ovinos. Pode ser classificada de acordo com as características das fibras e a qualidade do velo.

Elementos de constituição:

- cutícula: é a parte exterior do pêlo e é formada por pequenos escamas córneas, de forma quadrangular, que se sobrepõem uma às outras;
- cortical: constitui a maior parte do pêlo e é formada por células compridas em forma de fuso, unidas entre si, no seu interior encontram-se os pigmentos que dão variadas colorações às lãs.

A lã diferencia-se dos outros pêlos pela completa ausência de medula. Suas fibras, diferenciam também pelo modo de implantação na pele. Os pêlos e as lãs meduladas constituem graves defeitos no velo, pois trazem dificuldades ao serem industrializadas. São as chamadas "lãs de cachorro".

Composição química (com exclusão da suarda):

Carbono = 50,5 %
Hidrogênio = 6,8 %
Nitrogênio = 16,8 %
Oxigênio = 20,5 %
Enxofre = 5,4 %

Desenvolvimento

O cordeiro possui velo grosseiro; comprimento e diâmetros variados; pouca suarda, com alguns pigmentos. 1ª Tosquia mais ou menos 20º mês: velo com caracteres definitivos; seu peso porém, é atingido na 3ª tosa. A lã mantém-se assim até a 5ª tosa, com 4,5 anos, quando então decresce tanto em quantidade como em qualidade. Da 6ª tosa em diante, as mechas tomam-se irregulares, menos comprimidas, menos suarda. As lãs secas e quebradiças, depois dos 7 anos, são dominadas pelos "pêlos cabruns"; mais alguns anos a lã toma-se facilmente arrancável, caindo às mechas a mais leve tração. Inicia-se na cauda, ventre, flanco, lombo, etc.

Propriedades

- Escamosidade: é uma particularidade da cutícula, são pequenas escamas quadrangulares que recobrem a fibra da lã (maior quantidade à medida que a fibra da li é mais fina). Grande escamosidade da lã se deve à elasticidade e afeltramento nos tecidos de alta qualidade;

- Ondulação: todas as fibras da lã são mais ou menos onduladas. São uniformes quando se considera o conjunto de fibras. As ondulações devem ser sempre da mesma natureza e essa regularidade denomina-se caráter.

- Denominações: lisa ou achatada; direção contínua, igual e de forma regular, forma espiralar; normal; ondulação chega à metade do círculo; superior; passa da metade, lembrando o tecido das telas de arame.

- Finura: é a medida do diâmetro transversal de uma fibra de lã. Varia de 10 a 60 micras. Determinadas pelas raças, variedades, individualidade, sexo, idade, regiões do corpo, influência do meio;

- Comprimento: está relacionada com a finura, onde uma maior finura corresponde um menor comprimento. Pode ser natural: é o comprimento de fibra de lã depois de desondulada. O período entre duas tosas é normalmente 12 meses.

- Resistência: é necessária que suas fibras tenham estrutura regular e homogênea e que possuam suficiente suarda, além do mesmo diâmetro em todos os seus pontos. E o que opõe à lã á sua ruptura por tracionamento. Tal resistência à tração tem muita importância, porque na fabricação dos fios e tecidos, as fibras são submetidas a esforços de torção e tração consideráveis.
- Elasticidade: é a propriedade que tem a lã de recuperar seu comprimento, ondulação e direção primitiva, depois de estirada. Quanto mais elástica, tanto mais resistente e forte. A elasticidade provém, em parte, das ondulações e da constituição das células corticais ou escamas. Daí serem mais elásticas as lãs finas, que as grossas.

- Flexibilidade: é a propriedade que a lã tem de dobrar-se sem se romper. As lãs finas possuem maior flexibilidade que as grossas

- Suavidade: está relacionada à finura e a qualidade da suarda. Quanto mais suarda fluída e de qualidade, tanto mais suave é a lã. As lãs finas são mais suaves que as grossas.

- Brilho: é a particularidade das lãs de refletir a luz, depende da posição das células cuticulares que se manifestam na sua verdadeira expressão, nas lãs lavadas;

- Cor: a cor natural da lã é a branca , entretanto, existem algumas raças que possuem a cor cinza, parda ou mesmo negra.

- Qualidade: é a reunião de todas as propriedades referidas (finura, ondulação, resistência, cor, suavidade) bem distribuídas nas mechas e nos velos.

- Higroscopicidade: é a tendência que a lã tem em absorver a unidade. A lã é a mais higroscópica das fibras. Uma lã que se elimina a umidade, toma-se seca quebradiça e áspera. Quando a falta de umidade for excessiva podem ser atacadas por fungos (conhecidos vulgarmente por "carvões") onde a lã adquire coloração escura e perde a elasticidade e resistência.

- Suarda: substância gordurosa, semifluida, elaborada pelas glândulas sebáceas e sudoríparas, encontradas na pele para cobrir e proteger a fibra de lã, da ação atmosférica e demais agentes exteriores. Composta por parte solúvel em água (sais alcalinos, ácidos graxos, ácidos voláteis, etc) e parte insolúvel na água, a lanolina ou gordura da lã. A qualidade varia de fluída à pastosa. Sua coloração vai do branco ao amarelo-escuro. A cor preferível é o amarelo-claro. As lãs são suaves e fortes, quando a suarda é abundante, muito fluída, rica em lanolina e áspera e menos resistente quando pastosa, abundante e rica em estearina. Quando a suarda é pouco abundante, pobre em lanolina, as lãs são secas e fracas.

- Limpeza: depende da porcentagem das matérias estranhas que as acompanham. É mais limpa quanto menos impurezas contiverem. A mais freqüente é a terra, sementes, folhas.

- Rendimento: é a porcentagem de lã limpa que se obtém depois da lavagem das lãs. Esse rendimento depende do estado de limpeza e da quantidade de suarda da lã. Exemplo: Lã Merina 43 a 49%, cruzas finas 56 a 71%.

- Mecha: as fibras de lã formam agrupamentos denominados mechas. Estas apresentam formas características que se prendem diretamente às fibras, permitindo pelos seus aspectos formar um juízo sobre a classe e qualidade das lãs. Assim pela densidade do comprimento que apresentam, podemos julgar o rendimento; pela uniformidade e ondulação, a qualidade.
-- Densidade da mecha: número de fibras que se contém por unidade de superfície.
-- Uniformidade da mecha: igualdade de comprimento e finura das fibras que a compõem e também pela igualdade de diâmetro que estas apresentam em toda a sua extensão. Força da mecha: resistência que ela pode opor à tração.

Velo

É o total da lã obtida ao tosquiar um ovino comercialmente, porém se chama a lã que recobre o ovino, descontando-se a lã da barriga e das pernas.

Características mais importantes

- Peso: depende da extensão do velo, da sua densidade e do comprimento da mecha.
- Extensão: refere-se á superfície total do animal recoberta pela lã, o que depende do tamanho do ovino, das regiões do corpo (depende da raça).
- Densidade: depende da densidade das mechas que o compõem, e também, por sua vez, da quantidade de fibras por unidade de superfície.
- Comprimento da mecha: é de grande importância na determinação do peso do velo e varia muito conforme as raças.

A uniformidade existe num velo, quando as boas condições e propriedades da lã estão bem distribuídas por ele todo. Para o industrial é essa a característica mais desejável em um velo. A uniformidade decorre da perfeita distribuição do mesmo tipo de lã pelas regiões do corpo do animal.

A pureza reside na ausência de pêlos cabruns, fibras meduladas ou fibras negras ou de outras cores, junto às lãs. Para a qualidade da lã devem ser observadas as seguintes regiões: base da cauda, virilha, pernas, pregas ou rugas nos Merinos. Se nesses lugares não encontramos os pêlos indesejáveis, podemos afirmar que o Velo não os possui e que é um velo puro de qualidade.

Classificação das Lãs

Um velo é de boa qualidade quando apresenta 4/5 de seu peso em lã de primeira qualidade e 1/5 restante, entre lãs regulares e lãs de refugo, numa proporção de 7/8 para as lãs regulares.

A melhor lã, de primeira qualidade, é a que recobre as espáduas, dorso, lombo e parte do pescoço do animal.

A segunda qualidade, pertence às lãs que cobrem os flancos, costelas e ventres, e a terceira qualidade, as lãs do pescoço, gordura, pernas, barriga, cabeça, cauda, pernil e nádegas. Na classificação das lãs, intervém dois fatores: a qualidade e a finura.

Na classificação por qualidade, dividimos as lãs em tipos que apresentam características uniformes. Essa divisão se faz tendo em vista a ondulação, finura, comprimento, cor, suavidade, resistência, pureza e uniformidade, que, por suas oscilações, permitem diferenciar uns tipos dos outros. Nesta classificação, divide primeiramente as lãs em dois grupos:

- Das lãs merinas;
- Das lãs das demais raças e cruzas.

Lãs Merinas - Tipos

- Lã Supra: grande qualidade, boa ondulação e resistência, têm de 7 a 8 cm de comprimento, cor branca, grande suavidade e pureza.
- Lã Boa: só são inferiores as primeiras no comprimento.
- Segunda alta: tem menos qualidade que as acima, porém ainda possuem boa resistência, comprimento e regular pureza.
- Segunda: pouca qualidade, ondulações escassas, pouca resistência, comprimento de 3 a 4 cm, pouca suavidade e pureza.

Demais Raças e Cruzas - Tipos

1º Tipo - lãs de alta qualidade e é dividida em:
- Extra supra: muita ondulação, resistência, finura uniforme, bom comprimento, grande suavidade, muita pureza e cor branca sem tonalidade amarela;
- Supra: mesma qualidade que a anterior, diferindo no comprimento e cor, que pode apresentar coloração amarelada.
- Lãs altas: finura menos uniforme e suavidade diminuída.

2º Tipo
- lãs com qualidade inferior que as do primeiro. Diminuição da ondulação, resistência. A finura não é tão uniforme, menor suavidade e a pureza deixam a desejar.

3º Tipo
- defeitos mais acentuados e a qualidade diminui. A finura não tem uniformidade, cor variável, aspereza das fibras é maior, pureza é pequena, encontra-se pelos cabruns.

4º Tipo
- são as lãs "refugo", sem qualidade, muito impuras, sem resistência, finura desigual, mechas de curto comprimento, cor escura. Neste tipo se incluem as lãs dos ovinos doentes e com sarnas.

Capachos: são os velos de fibras muito entrecruzadas, apertadas entre si.

Cordeiro: são as lãs dos cordeiros, que não apresentam propriedades definitivas. Barriga: são as lãs de barriga e das pernas ou "garreios", que são as inferiores e as mais cheias de impurezas. São as de inferior qualidade e menos valorizadas.

Pelego: lã obtida pela tosquia de ovinos mortos para o consumo.

Classificação por Finura

- Lãs Merinas: mechas curtas e forma quadrada, possuem grande finura e suavidade, contendo muita suarda.
- Cruzas finas: a prima cruza conserva os caracteres dos Merinos, quanto ao aspecto geral, tendo porém fibra mais grossa e maiores comprimentos.
- Lãs B: diferem quanto à suavidade, finura e comprimento.
- Lãs 1 e 2: possuem fibras mais grossas, diminuindo mais a suavidade, principalmente nas lãs 2 , sem entretanto, serem ásperas, suas mechas ainda são de forma quadrada.
- Cruzas Médias: constituídas pelas lãs 3, possuem mechas pontudas, fortes, com menos suavidade e grandes ondulações.
- Cruzas Grossas: tem as lãs 4, com maiores ondulações, são largas e bem distribuídas. Suas fibras são grossas, com suavidade menor que as anteriores. Não tem brilho, o que serve para diferencia-las das lãs 5, que possuem brilho acentuado. Estas lãs, apresentam ondulações grandes, bem distribuídas e terminam em pontas.
- Lãs com muito brilho: fio grosso, sem suavidade, desagradáveis ao tato e com ondulações bem grandes.

Escala de Bradford

É baseada na fiação e deram o nome de qualidade a possibilidade de se fiar tantas vezes - 560 jardas de fio em 1 libra de lã lavada. A letra minúscula "s" é a abreviação de "Spinning poud" (libra fiada). O diâmetro diminui, à medida que a qualidade aumenta.

Quanto à Origem

- Lã de velo: as produzidas nas diversas regiões do corpo de um ovino, com exceção das patas e barriga, durante o período de 12 meses

- Lã de borrego: produzida pela primeira tosquia de ovino que ainda não alcançou a idade de 1 ano, com mechas pouco consistentes e sem ligação entre si.

- Lã de retosa: é constituída de lã solta de comprimento reduzido, proveniente da tosquia dos animais antes de completado o período normal de crescimento de li, que é de 12 meses.

- Lã de pelego: a lã retirada, mecânica ou quimicamente, da pele dos ovinos abatidos para o consumo.

- Lã de desborde, aparas ou pontas: que são os pedaços de lã provenientes dos trabalhos de classificação, desborde e limpeza de veios, nas mesas de classificação.

- Lã de pata e borrega ou garreio: as produzidas nas pernas e barriga dos ovinos e que tem, por características principais, fibras geralmente crespas sem forma e coloração variável, suarda em elevada quantidade, misturada com impurezas que lhe emprestam aspecto desagradável.

- Lã de capacho: proveniente de veios que sofreram intensa feltragem, a ponto de tornar difícil a divisão de suas diferentes partes.

- Lã de campo: lã proveniente de animais encontrados mortos e que sofreram a ação de intempéries. Caracteriza-se pela cor branca-escura , com tons esverdeados.

- Lã moura ou preta: a que provém de ovelha preta, parda ou moura.

Essas categorias são ainda subdivididas, de acordo com a finura e qualidade das fibras que são classificadas como:

- Supra: velos com mechas de comprimento excelente, que apresentam todas as suas propriedades em condições excepcionais e evidenciam ser provenientes de ovinos de alta pureza racial;
- Especial: velos com mechas de comprimento mínimo normal e todas as demais propriedades em condições normais, carecendo, no entanto, de características idênticas às do tipo "Supra";
- Boa: velos com mechas em que predominam o comprimento 3/4 do mínimo normal e apenas com algumas de suas demais propriedades, deixando algo a desejar;
- Corrente: velos que se caracterizam pela grande desuniformidade das fibras, pela resistência enfraquecida por agentes externos, em conseqüência de falta de densidade neles. Serão incluídas neste tipo todas as lãs que se apresentam mais de uma de suas propriedades principais em condições anormais e com o comprimento de metade do mínimo normal;
- Comuns ou mistas: velos procedentes de ovinos velhos ou enfermos, quando apresentam alteradas suas propriedades.

Defeitos

- Lã com sarna: lã impregnada de partículas provenientes da escamação epitelial ocasionada pelo Psoroptes ovis (sarna); apresenta-se geralmente ressequida, sem elasticidade e sem resistência.

- Lã queimada ou manchada: lã prejudicada pelo banho sarnífugo e que apresenta coloração variável.

- Lã epidêmica: lã proveniente de animais que sofreram transtornos fisiológicos, é sem cor, sem brilho, quebradiça, sem elasticidade e resistência; mechas geralmente emaranhadas, com pontas retorcidas até quase a metade.

- Lã terrosa: lã com elevada quantidade de pó terroso; reduz a suarda e respectivos rendimentos.

- Lã arenosa: lã com elevada quantidade de areia.

- Lã com semente: lã com sementes aderidas às fibras.

- Lã rosada: lã com terra vermelha que modifica a coloração natural.

Classes das Lãs por raças

- Merina: proveniente de ovinos em que predomina o sangue Merino, com a finura de 60/ 64's e cujo comprimento mínimo normal das mechas é de 6 cm.

- Amerinada: produzida por ovinos de raças puras ou mestiças que ainda evidenciam o sangue Merino, compreendendo duas classes; Prima "A" com finura de 60's e com o comprimento mínimo normal de 7 cm, Prima "B" com finura de 58's e com o comprimento mínimo normal de 8 cm.

- Cruzas: Consideram-se Cruzas as lãs produzidas por 0vinos puros ou mestiços e compreendem 5 classes:

1ª Cruza "1" - 56's e comprimento mínimo - 10 cm
2ª Cruza "2" - 50's e comprimento mínimo - 12 cm
3ª Cruza "3" - 48's e comprimento mínimo - 13 cm
4ª Cruza "4" - 44's e comprimento mínimo - 14 cm
5ª Cruza "5" - 44's e comprimento mínimo - 15 cm

Crioula: lã produzida por ovinos da primitiva raça crioula com ausência de mecha propriamente dita e existência de grande quantidade de pêlos, que acompanham as fibras, destacando-se no velo em forma de extensas pontas, cujo comprimento atinge 15cm.

Email:
Senha:


Esqueci Senha
Cadastre-se
Receba as notícias
© 2001 - 2013 Criar e Plantar - Todos os direitos reservados