Início Pecuária Agricultura Aquicultura Horticultura TV Criar e Plantar

Busca no Site

Seções

Eqüino


Pega

A origem de nossas raças repousa nos animais que foram introduzidos no País pelos colonizadores. Nestes anos de criação desordenada, nas mais diversas condições eles lograram produzir agrupamentos mais ou menos numerosos, que depois foram melhorados por cruzamentos com raças definidas importadas e um melhor trato, resultando em duas raças definidas, o juntamento Brasileiro e o Pêga, e no juntamento comum ou nordestino suscetível de melhoramento.

Entre os animais usados na lavoura, nos transportes e no campo, ressaltam-se os muares que, pela sua força, agilidade, rusticidade, e sobriedade, levam grande vantagem sobre os eqüinos e bovinos: decorre dai necessidade de melhoramento dos nossos asininos e sua maior utilização em nosso meio, pois são ainda capazes de satisfazer os nossos reclames.

A raça Pêga foi formada em Minas Gerais. O seu nome - Pêga - originou-se da marca a fogo com que eram assinalados esses animais, em Lagoa Dourada, um dos maiores núcleos de criação, que parecia com a algema de prender escravos, chamada Pêga.

Por volta de 1810, o Padre Manoel Maria Torquato de Almeida iniciava na fazenda do Cardume, no atual Município de Entre Rios de Minas, a criação e a formação de um tipo de jumento, trabalho este que, continuado pela família Resende, viria a constituir a raça Pêga, hoje tem conhecida e inigualável na produção de muares.

Hoje em dia, o jumento Pêga está espalhado por todo Brasil, sendo em Minas Gerais, sua maior reserva criatória, devido a trabalhos de vários técnicos que colocarem acima de tudo que o jumento Pêga é extremamente necessário.

Email:
Senha:


Esqueci Senha
Cadastre-se
Receba as notícias
© 2001 - 2013 Criar e Plantar - Todos os direitos reservados