Início Pecuária Agricultura Aquicultura Horticultura TV Criar e Plantar

Busca no Site

Seções

Bovino de leite


Holandesa

Generalidades

Pouco se sabe sobre a origem da raça holandesa, ou frieshollands veeslay, ou ainda frísia holandesa, havendo anotações que vão até o ano 2000 a.C. Alguns afirmam que foi domesticada há 2.000 anos nas terras planas e pantanosas da Holanda setentrional e da Alemanha. Eram animais de origem grega, de acordo com ilustrações antigas, o que causa maior dúvida sobre sua formação.

No Brasil não foi estabelecida uma data de introdução da raça. Paulino Cavalcanti (1935) cita que baseado em dados históricos, referentes à nossa colonização, presume-se que o gado holandês foi trazido nos anos de 15308 1535. Quase todos os touros da atualidade são originários de três países famosos: da Frísia, Groningen e Holanda.

Características

As holandesas apresentam as seguintes características:

- Idade para a primeira cobertura: 16 a 18 meses;
- Idade para o primeiro parto: 25 a 27 meses;
- Duração da gestação: 261 dias a 293 dias (média de 280 dias);
- Intervalo entre partos: 15 a 17 meses.

Padrão da raça

- Malhadas de preto-branco ou vermelho branco; ventre e vassoura da cauda branca; barbela e umbigueira pouco pronunciada, tamanho da vulva discreta, não pregueada animal não preto e nem totalmente branco.
- Cabeça bem moldada, altivo, fronte ampla e moderadamente côncava, chanfro reto, focinho amplo com narinas bem abertas, mandíbulas fortes que exprimem o estilo imponente e viva e própria da raça;
- Pescoço longo e delgado que se une suavemente na linha superior ao ombro refinado e cruz angulosa; vértebras dorsais que se sobressaem e inferiormente ao largo peito com grande capacidade circulatório e respiratório;
- Dorso reto, fone e linha lombo-dorsal levemente ascendente no sentido da cabeça;
- Garupa comprida, larga e ligeiramente desnivelada no sentido quadril a ponta da nádega;
- Coxas retas, delgadas e ligeiramente côncavas, bem separadas entre si, cedendo amplo lugar para o úbere
- Pernas com ossatura limpa, chata e de movimentos funcionais que terminam empatas de quartelas fortes e cascos bem torneados;
- Pele fina e pregueada e pêlo fino e macio.

Cruzamento industrial

Os principais cruzamentos são com a raça gir, formando o girolando, e com o guzerá, formando o guzolando (ou guzerando), ambos com livro de registro genealógico.

Desde 1991, todo o gado holandês é registrado desde o nascimento. A pecuária de gado holandês para carne, com novilhos precoces, caminha aceleradamente desde a década de 1970. Já na década de 1980 foi estabelecido um programa alternativo de cruzamentos com raças especializadas de corte, destacando-se o charolês, o limousin, o piemontês, o bleu-blanc-belge, e outras, para incrementar o rendimento de carne, promovendo o surgimento de linhagens de melhor rendimento no abate. Esta é a grande novidade científica da vinda do milênio, prometida pela Associação Brasileira de Criadores de Gado Holandês que pode revolucionar a pecuária mundial. "Assim como o holandês revolucionou a pecuária leiteira, essa alternativa (carne-leite) pode provocar uma segunda revolução" protetiza.

Produtividade de leite

Existem 961 criadores inscritos no Controle Leiteiro Oficial, que somaram 104.382 animais em produção no ano de 1998. A média brasileira de produção leiteira foi de 6.622 (305 dias) em 1998 e de 7.290kg na idade adulta (305 dias). Cerca de 84% dos criadores residem em São Paulo, Paraná e Minas Gerais.

A média de Produção de Leite em 1998, foi a seguinte:

- Lactações padronizadas em 305 dias e em 2 ordenhas: 6.622 kg
- Lactações padronizadas em 305 dias, 2 ordenhas à idade adulta :7.290 kg
- Lactações em 2 ordenhas, até 305 dias: 5.962 kg; de 306 a 365 dias: 7.862 kg
- Lactações em 3 ordenhas, até 305 dias: 7.160kg.

Melhoramento genético

Até o inicio de 1980, o Brasil foi considerado o detentor do maior rebanho mundial de HVB (holandês vermelho branco), mas o efetivo foi decrescendo, ano após ano, por falta de disponibilidade de reprodutores VB (vermelho branco) com provas genéticas comprovadas e também pela não aceitação das cobrições de vacas VB por touros PB (preto branco). A abertura para uso de reprodutores PB sobre vacas VB somente aconteceu por volta de 1984 desde que o reprodutor fosse portador de gene recessivo para pelagem VB.

A FAO, organização da ONU vinculada ao setor de alimento e agricultura relacionou, na década de 1950, três tipos de gado holandês, cada uma com seu próprio registro genealógico:

a) Holandês preto e branco (ou vermelho e branco), com cerca de 80% do total;
b) Meuse-Rhine-ljssel (vermelha e branca), com cerca de 18%;
c) "Groningen" (cabeça branca), com cerca de 2%.

Email:
Senha:


Esqueci Senha
Cadastre-se
Receba as notícias
© 2001 - 2013 Criar e Plantar - Todos os direitos reservados