Início Pecuária Agricultura Aquicultura Horticultura TV Criar e Plantar

Busca no Site

Seções

Bovino de leite


Aparelho digestivo

O que difere os ruminantes dos demais animais é o fato de serem poligástricos, ou seja, possuem quatro estômagos, chamados  rúmen, retículo, omaso e abomaso. O tamanho de cada um varia no decorrer da vida do animal. Na primeira mastigação ocorre a trituração dos alimentos e a ensalivação. Em média, o bovino libera de 50 a 60 quilos de saliva por dia. Quando os alimentos fornecidos são fluidos, a salivação torna-se fraca, o conteúdo do rúmen, então, torna-se viscoso e o gás resultante a digestão causa a aparição de espumas, surgindo a indigestão gasosa ou espumosa, característicos da meteorização.

Esses animais são altamente adaptados para a digestão de celulose, tornando-se completamente herbívoros quando adultos. Os alimentos mastigados e engolidos são armazenados no retículo , onde ocorre sua maceração e trituração , para voltarem à boca e serem mastigados novamente, processo chamado de ruminação.

No rúmen há milhares de microorganismos, responsáveis pela digestão da celulose contida nos vegetais ingeridos e pela formação de ácidos voláteis. Percebe-se, que o aparelho digestivo dos ruminantes possui adaptações para tornar viável a sobrevivência desses microorganismos. Portanto, qualquer variação na alimentação pode modificar a colônia de bactérias, alterando a digestão do animal e podendo leva-lo a ter alguma doença. No folhoso a água do bolo alimentar é absorvida para que no coagulador  ocorra o ataque do suco gástrico e a digestão propriamente dita.  O suco gástrico é constituído principalmente por água, sais minerais, ácido clorídrico e pepsina ( uma proteína com ação enzimática).

A partir daí, a digestão ocorre como em qualquer outro animal, com a absorção das substâncias pelo intestino delgado e absorção de água pelo intestino grosso, com a produção das fezes ( resíduos alimentares não aproveitados).

Como os microorganismos residentes no estômago bovino estão constantemente reproduzindo-se e morrendo, eles também são digeridos. Na passagem de uma cavidade digestiva para outra há barreiras que impedem a passagem de bactérias vivas, o que poderia causar alguma patologia grave no animal.

Email:
Senha:


Esqueci Senha
Cadastre-se
Receba as notícias
© 2001 - 2013 Criar e Plantar - Todos os direitos reservados