Início Pecuária Agricultura Aquicultura Horticultura TV Criar e Plantar

Busca no Site

Seções

Jacaré


Características

INTRODUÇÃO

JACARÉ DO PAPO AMARELO - caiman latirostris, é um réptil, portanto um animal de sangue frio - ectotérmico (depende da temperatura do ambiente, para controlar sua  temperatura).
O projeto de criação em cativeiro é uma forma internacionalmente reconhecida como preservadora de espécies ameaçadas de extinção.
Classificação:   Classe- reptilia
                            Ordem- crocodilia
                            Família- crocodilidae
                            Sub-família- alligatorinea
                            Gênero- caiman
                            Espécie- caiman latirostris

A ameaça de extinção se deu basicamente pela atividade predadora do homem caçando os Jacarés para retirar destes animais o couro e a carne para consumo. Além disso destruíram seu habitat. 90% da mata atlântica foi derrubada devido a exploração da madeira de lei terminando assim o alimento e locais para se esconder e montar os ninhos.
As grandes capitais brasileiras estão na região litorânea. A poluição e a introdução na natureza de outras espécies também ameaçam o Jacaré do Papo Amarelo.
É o maior réptil que sobrevive na terra e mudou muito pouco desde a época dos dinossauros a 250 milhões de anos. Apresenta funções bem definidas na natureza, inclusive responsável pelo controle populacional de uma série de animais tais como insetos e roedores.

São basicamente aquáticos (gostam de áreas com densidade alta de plantas aquáticas) e caçam durante a noite, quando são facilmente localizados através de uma lanterna, devido aos seus olhos vermelhos-amarelados, localizados no ponto mais alto da cabeça assim como as narinas. 
A estrutura do olho sugere que a visão é boa durante o dia e a noite permite um grande campo visual para a frente e para os lados. A pupila se contrai verticalmente quando em luz forte.
O Jacaré do Papo Amarelo também é chamado de "Broad Snouted Alligator", isto é, o focinho é mais largo que comprido, não possui afunilamento grande em relação a cabeça. Esse tipo de focinho é uma adaptação para triturarem a couraça de algumas tartarugas de que se alimentam, assim como caranguejos e caracóis aquáticos.
É um predador oportunista que se alimenta basicamente de pequenos vertebrados - aves, roedores e mamíferos. 
Não é tão adaptado para se alimentar de peixe.
Os osteodermos são placas ósseas que ficam sob a pele e servem como proteção a outros predadores.
Devido a essas estruturas o couro do dorso é muito pouco utilizado. Na cabeça o couro é totalmente aderido ao osso.
Em geral não é possível distinguir os sexos nos filhotes, porém os machos adultos são maiores e mais robustos que as fêmeas (dimorfismo sexual). O Jacaré do Papo Amarelo se difere do Jacaré do Pantanal entre outras características por apresentar 3 séries de grandes escudos nucais (nuca) em que uma delas é formado por 4 escudos.
Os jacarés podem morrer afogados quando ficam debaixo d'água por períodos prolongados ou quando ficam presos em redes debaixo d'água.
Apresenta cerca de 24 a 28 fileiras de escamas abdominais.

CRIAÇÃO INTENSIVA

O Jacaré do Papo Amarelo se adapta bem ao cativeiro e ao semi cativeiro. Desde que atendidas suas exigências básicas como temperatura, umidade, higiene e nutrição.
Existem vários tipos de criações de jacarés a "Ranching" e a "Farming". A primeira retira os ovos da natureza e apenas recria e a segunda faz o todo o ciclo reprodutivo desde a manutenção dos reprodutores até a engorda dos animais. Existe uma grande diferença de custo de uma em relação a outra, pois a primeira não precisa manter os reprodutores e a segunda sim.
Os recintos possuem os centros de nidificação que são áreas pré-determinadas como locais mais recuados para que as fêmeas possam fazer um ninho.
A captura destes animais pode ser feita de diversas formas: cambão, laço ou dardo com anestésico. Qualquer que seja o tipo de captura ela deve estar totalmente adaptada para as condições onde se encontra o animal. Após a captura a boca do animal deve ser imobilizada com tiras de borracha, cordas ou fita adesiva ("Silver Tape"). Sempre que possível minimizar o estresse, e uma das formas de se fazer isso é cobrir os olhos. Nunca fazer as capturas nas horas mais quentes do dia. Dependendo do tamanho e peso do animal, precisa-se, no mínimo de três pessoas. 
A qualidade da água tem que ser boa e comprovada através de exame, mesmo assim cada recinto deve ter sua água independente para evitar contaminações de um recinto para outro.
Um animal mantido sob temperatura e umidade incorretas dificilmente sobrevivia em cativeiro, pois quando mantido a uma temperatura sub-ótima não aceitará qualquer alimentação fornecida.
Sem se alimentar ocorre o estresse, perca de peso e infecções generalizadas que podem levar a morte.
Deve existir uma quarentena em todos os criadores para isolamento e observação dos animais recentemente trazidos ao criadouro. Estes animais não devem ser introduzidos antes deste período de observação (45 a 65 dias) para que não tragam novas doenças aos outros animais já existentes no recinto a que se destina.
A temperatura elevada e a umidade da estufa cria um meio ambiente ideal para o crescimento de microorganismos patogênicos podendo portanto contaminar todos os animais.
Nos recintos é importante a sombra para que possam ficar fora d'água e se protegendo do sol forte.
A presença de árvores no recinto deve ser bem escolhida, pois determinadas árvores com raízes superficiais e abrasivas podem comprometer a estruturas dos tanques.
Nos recintos deve existir uma boa área úmida e outra seca, apesar de passarem a maior parte do tempo na região de transição dos dois.
A observação diária destes animais é importante, qualquer alteração no comportamento pode indicar uma enfermidade, por exemplo Jacarés que ficam muito tempo fora d'água - febre comportamental. Estes devem ser retirados do recinto e levados a uma u.t.i. (unidade de tratamento intensivo) com a temperatura da água controlada em torno de 30 a 32º C.

REPRODUÇÃO

Os recintos de reprodução devem ser amplos com praias para banhos de sol e com bastante matéria orgânica para que as fêmeas possam construir o ninho.
As fêmeas constroem o ninho com folhas, galhos, barro e areia, que obtêm na mata e formam um ninho de cerca de 2 metros de diâmetro e cerca de 80 cm de altura, onde os ovos são incubados em função da fermentação desta matéria orgânica.
Durante a postura as fêmeas ficam tranquilas, mas após a postura que normalmente é noturna e de uma só vez elas ficam extremamente agressivas. Isto varia de um animal para outro.
Durante a cópula o macho faz um ritual e sobe na fêmea colocando a base da cauda de lado encostando a cloaca dele na cloaca dela e rolando dentro d'água. Ao contrário da postura, a cópula ocorre durante as primeiras horas do dia. Podem ocorrer várias cópulas seguidas.
O peso de um animal adulto pode chegar a 100 kilos e um tamanho de 2 a 3 metros de comprimento.
Na natureza vive cerca de 35 anos, e em cativeiro vive cerca de 50 anos.
A maturidade sexual está relacionada com o tamanho e idade, na natureza o macho atinge a maturidade sexual em torno dos 11 anos de idade e em cativeiro esse período diminui para cerca de 50%, ou seja, quando o animal atinge aproximadamente 1,8 mts de comprimento, devido ao rápido crescimento em cativeiro.
O sexo dos animais é determinado através de uma palpação na cloaca, os machos apresentam um pênis curvo e rígido e as fêmeas uma pequena protuberância que é o clitóris. Nos animais menores, onde a palpação é difícil, pode-se usar um pequeno espéculo para abertura da cloaca.

Deve-se sempre agrupar e ou formar grupos de reprodução no inverno (junho e julho), para minimizar as brigas, pois nesta época do ano eles são mais linfáticos (calmos).
A reprodução ocorre uma vez por ano nos meses de outubro a março. A cópula (cobertura) ocorre nos primeiros meses e postura acontece de dezembro a janeiro. A fêmea auxilia o nascimento dos filhotes colocando o ovo na boca e comprimindo levemente até romper a casca e dando nascimento do jacarezinho. Ela é capaz de carregar os filhotes na boca desde o ninho até a água.
Uma fêmea pode fazer uma postura sem a presença de um macho.
A presença de vários substratos no recinto pode dar as fêmeas diversidade para construção de ninhos que pode ser feita em qualquer lugar do recinto, não sendo necessário ser nos centros de nidificação.
A formação de novos grupos de reprodução devem ser feitas durante o inverno com animais do mesmo porte pra evitar brigas.
Sonorização ocorre durante o período de reprodução - acasalamento - os machos emitem sons para atrair as fêmeas.
Nas mãos, o jacaré possui 5 dedos, mas apenas 4 nos pés e somente os dedos internos possuem unhas, pois as utilizam para escavar ou fazer os ninhos.
O macho teve um membro amputado após briga - houve uma fratura exposta e submetido a uma cirurgia plástica para preservação de parte do membro e da vida do próprio animal.
Esta falta do membro pode interferir com a atividade reprodutiva do macho - dificuldade em segurar a fêmea.
Este tipo de lesão ocorre normalmente nas interações agonisticas - briga entre os animais.

INCUBAÇÃO - RECRIA

A fêmea coloca de 20 a 80 ovos de casca dura uma vez por ano no verão (novembro a janeiro). Sob a casca dura existe uma membrana que protege o embrião. As fêmeas protegem seus filhotes durante 2 ou 3 anos depois do nascimento.
Após a postura, a fêmea fica próxima ao ninho protegendo-o dos predadores, por isto dizem que o jacaré fêmea choca com os olhos.
Quando se coleta ovos de jacarés estes não devem ser retirados da sua posição inicial pois afetaria o desenvolvimento do embrião. O ideal é marcar cada ovo com um "x" na parte superior e recolocar no ambiente desejado na mesma posição com o "x" para cima.
As maiores perdas de animais em uma criação em cativeiro se dá na incubação dos ovos.
Existe uma falha no desenvolvimento de alguns filhotes que pode estar relacionado a uma série de fatores tais como competição (dominância), doença infecciosa, temperaturas acima ou abaixo do ideal que estressam os animais ou simplesmente um fator desconhecido "síndrome do Jacaré anão".
A incubação artificial é feita em bandejas com vermiculita.
A primeira postura de uma fêmea traz ovos pequenos e as vezes inférteis (não se desenvolvem). Algumas fêmeas podem fazer postura sem a presença de um macho, por tanto ovos não fecundados.
Os Jacarezinhos possuem uma estrutura em forma de dente na ponta do focinho que se chama dente do ovo que some logo após o nascimento, esta estrutura existe para auxiliar os filhotes a nascerem.

A umidade de incubação deve ficar em torno de 90 a 100% para prevenir a perda de água dos ovos e para auxiliar na quebra dos ovos na hora da eclosão.
O período de incubação é de cerca de 65 a 85 dias com um índice de incubação de 90%.
A temperatura de encubação que é de 28º a 32º C que determina o sexo dos animais.
A sonorização dos filhotes ocorre bem próximo a data provável de eclosão. Som este que deixa a fêmea extremamente nervosa e agressiva e quando necessário auxilia o nascimento dos demais filhotes colocando o ovo na boca e rompendo-os.

O som emitido por um dos filhotes pode estimular o nascimento dos outros irmãos.
Cuidados com o umbigo também são importantes na criação em cativeiro, passando-se tintura de iodo durante 7 dias, até a cicatrização total.
Os filhotes devem permanecer dois a três dias sem se alimentar para a absorção total do saco vitelino, e após esse período pode se dar pequenos insetos ou minhoca até que se alimentem espontaneamente de carne moída.
A temperatura ideal para um melhor desenvolvimento é entre 28 e 32 graus na água e não do ar. 
Os primeiros 6 meses de crescimento em temperatura ideal (estufa) são primordiais para um ótimo desenvolvimento futuro.

ALIMENTAÇÃO

Na criação em cativeiro os jacarés comem sub-produtos de indústrias ou descartes de criadouros de aves, suínos, bovinos, coelhos, peixes, etc... A carne é moída e enriquecida com um pré-mix de vitaminas e sais minerais numa proporção de 3% do peso corporal estimado ou pesado. No caso dos filhotes o pré-mix entra na proporção de 35% do peso corporal estimado. A frequência de alimentação depende da categoria, pois os filhotes na estufa comem de segunda a sexta e os reprodutores nos recintos externos de reprodução comem de uma a duas vezes por semana apenas, num total de 7% do peso corporal por semana. Os montes de carne moída devem ser colocados distantes uns dos outros na margem d'água. O ideal é que sobre sempre um pouco de carne na margem e esta deve ser retirada na manhã do dia seguinte, e a margem lavada com água sob pressão.
Quando se usa o sistema "salsicha - linguiça" (carne embalada juntamente com o pré-mix) esta é dada aos animais dentro d'água.
Essa forma de alimentação tem a vantagem de não sujar tanto os recintos mantendo uma qualidade da água melhor.
Como monitoramento da qualidade da água nos recintos, pode-se criar Tilápias ou Carpas neles, para que se alimentem dos restos de carne, mantendo assim um controle sobre o fitoplancton.
O jacaré não mastiga, e sim, morde a presa. Ele gira 360 graus para arrancar pedaços e depois engole inteiro o pedaço arrancado. Podem engolir pedaços de carne debaixo d'água sem engolir água graças a um sistema de válvula muscular que possuem na boca.
A alimentação deve ser de boa qualidade em termos de proteína, vitaminas e minerais. Pois o excesso de gordura e falta de cálcio podem levar a um quadro de raquitismo.

Animais com dificuldade de andar e com o lombo convexo, cifose.
A presença de tartarugas no recinto pode auxiliar na limpeza dos tanques podendo se alimentar do resto da carne dos Jacarés, auxiliando na higiene dos tanques.
Os jacarés podem engolir pedras e ou pedaços de madeira que permanecem no estomago para auxiliar na digestão e na flutuação - emergir de forma mais lenta.
A digestão é totalmente enzimática como nas cobras, pois comem pena e osso tudo junto.
Deve-se sempre num lote de filhotes fazer a segregação de acordo com o peso e tamanho para que não haja competição desigual na hora da alimentação.
O jacaré não ataca o ser humano a não ser quando estiver ameaçado. Ele não morde de frente como as cobras, morde apenas pelas laterais - bote lateral.
A língua do jacaré é presa na parte inferior da boca, não é livre como a nossa.
Possui cerca de 80 dentes. O mesmo número de dentes que ele perde, é reposto, em função do número de trocas (até 40 novas dentições). O jacaré pode ter cerca de 2000 a 3000 dentes durante a sua vida.
Canibalismo (um matando e comendo o outro) ocorre quando o alimento é escasso, numa área de alta densidade populacional.
No inverno o jacaré hiberna durante cerca de 4 meses, não se alimenta e permanece mais estático tomando muito banho de sol para se aquecer.
O jacaré possui um órgão peculiar de gordura dentro do abdomem que permite que fique sem comer por um período prolongado.

CURIOSIDADES

O jacaré não transpira através de sua pele corácea, não se desidrata, pois tem escamas impermeáveis da cabeça a cauda. Em função disto quando está com calor ele abre a boca para perder calor.
Um sistema de identificação é feito através de cortes nas cristas simples da cauda. Cada crista simples representa um número, dezena, centena, sendo que o ponto entre o final das cristas duplas e o início das cristas simples corresponde ao zero.
Os crocodilianos e aves tem um parentesco bem próximo, pois ambos apresentam um sistema único de espaços aéreos no esqueleto. (Siriema e Jacaré são parentes próximos)
São dinossauros vivos.
Possui uma terceira pálpebra transparente que vai de um lado para o outro do olho para fecha-lo e protegê-lo, de forma que quando debaixo d'água possa ver a sua presa.
Para nadar, os jacarés utilizam principalmente a cauda. Podem andar, trotar e até galopar fora da água e para isto precisa elevar o seu corpo através dos membros anteriores e posteriores.
O jacaré fica submerso cerca de 3 horas, ele não depende do oxigênio da água. Apresenta um "by pass" no coração que quando estão debaixo d'água e termina o oxigênio pulmonar o sangue não passa pelos pulmões ("by pass") e circula no restante do corpo.
No inverno os Jacarés hibernam por cerca de 4 meses, ficam mais calmos.

Alguns jacarés tem a capacidade de subir paredes de cerca de 1 metro, principalmente os animais que foram pegos da natureza e trazidos para o cativeiro.
Quando se aproxima lateralmente a um Jacaré, o movimento muito rápido defensivo é feito pela cabeça e cauda para o mesmo lado de forma a pegar o indivíduo com a cabeça, dentes ou rabo.
As narinas elevadas no final do focinho sugere uma dependência evolutiva no senso olfatório para achar alimento.
Os crocodilianos tem uma habilidade ou orientação para retornar para casa, isto é, animais que foram criados em cativeiro e escapam dos recintos, eles retornam a área após um período. O mesmo acontece com animais capturados da natureza e trazidos às fazendas de criação, é lógico que existe uma limitação na distância.  
Metacromia, ocorre para uma termo regulação, ou seja, o animal fica mais claro para refletir calor no verão e mais escuro no inverno para absorver calor com maior facilidade.
Os Papo Amarelo são mais tolerantes ao frio do que os outros caimans, e por isso, passam menos tempo se banhando no sol, ficando mais dentro d'água.
Os predadores naturais do jacaré são o homem (caçam os adultos devido ao couro e carne), gaviões, corujas e cobras e a sucuri, (comem os filhotes), o lagarto e o porco selvagem são predadores indiretos do jacaré, pois comem os ovos que estão nos ninhos.
Os membros anteriores tem 5 dedos com unhas nos 3 orgãos mediais e os membros posteriores apresentam 4 dedos que são mais longos que os anteriores e apresentam membranas inter digitais e unhas nos 3 dedos mediais.

Email:
Senha:


Esqueci Senha
Cadastre-se
Receba as notícias
© 2001 - 2013 Criar e Plantar - Todos os direitos reservados