Início Pecuária Agricultura Aquicultura Horticultura TV Criar e Plantar

Busca no Site

Seções

Mandioca


Colheita

Épocas de colheita

As épocas mais indicadas para as colheitas são aquelas em que as plantas se acham em "período de repouso", ou seja, quando, pelas condições de clima (temperaturas mais baixas e quase nenhuma chuva), as plantas já derrubaram as folhas, atingindo o máximo de produção de raízes e de reservas de amido. No Estado de São Paulo, os melhores meses para esse fim são os de maio a agosto.

Entretanto, em culturas extensas, para fins industriais, a colheita se antecipa e se prolonga para além daqueles limites, iniciando em princípios de abril, muitas vezes até em março, e prolongando-se até setembro.

As porcentagens de amido nas raízes e a produção destas serão tanto menor quanto maior for a antecipação da colheita, em relação a abril. Normalmente, enquanto as plantas estiverem mantendo as suas folhas, estarão elaborando produtos de reserva para as raízes; de modo que colheita muito antecipada, conquanto não determine prejuízos diretamente, elimina a possibilidade de colheitas maiores.

Sistemas de colheita

Quando é grande o desenvolvimento vegetativo das plantas e elevada a produção de ramas, a colheita exige uma prévia remoção das ramas, o que, se faz cortando-se as hastes logo acima da primeira ramificação ou, então, de 15 a 20cm acima do chão. Em culturas cujas plantas sejam de tamanho médio e cujas ramas não se emaranhem, pode não haver necessidade do corte prévio das ramas. A grande maioria dos casos se enquadra no primeiro exemplo, constituindo uma operação dispendiosa a remoção das ramas, quando não se precisa delas para o plantio. Isso porque cerca de 25% da área plantada fornece material de propagação para plantar outra área igual. Os restantes 75% de ramas, se não foram vendidos, deverão permanecer no terreno. Recomenda-se, então, colher, amontoar e transportar o produto de cada cinco linhas, distribuindo-se, a seguir, ao longo delas, as ramas das outras cinco linhas seguintes, e assim sucessivamente. Um rôlo-faca ou grade de discos pesada triturará o material, após a colheita de toda a área, incorporando este material ao solo.

Em solos leves, as plantas serão arrancadas quando puxadas pela base, e sacudidas várias vezes. Algumas raízes quase sempre ficam na terra; estas serão retiradas com enxada ou enxadão. Em solo compacto, emprega-se o enxadão para se retirar um pouco da terra ao redor das raízes, antes de se puxar a planta. Também, a picareta é empregada com resultado bastante satisfatório, sendo talvez o melhor instrumento para a colheita.

Em terras arenosas, a colheita pode ser mecanizada, empregando-se um sulcador grande, de asas, puxado por dois ou quatro bois em áreas pequenas e, preferivelmente, trator, em grandes áreas. O implemento sulcador do trator pequeno, devidamente adaptado ao trator, para esse fim, realiza um bom trabalho de colheita se o solo não estiver endurecido. Naturalmente, para a colheita mecanizada, há necessidade de se retirarem, previamente, as ramas do terreno, conforme já dito, deixando-se apenas 10 a 15cm da base das hastes a fim de indicar a direção das linhas.

Qualquer que seja o método empregado, a colheita será mais facilitada quanto mais no limpo estiver o terreno. Mandiocal no "mato" significa colheita difícil e cara.

Um homem pode colher cerca de 500kg de raízes por dia. Pode-se, entretanto, considerar que poderá colher 1.000kg em terrenos leves, estando o mandiocal no limpo, e com boa produção. Há casos de 2.000kg em dez horas.

Depois de colhidas, as raízes serão destacadas, preferivelmente com golpes de facão. Cortam-se cada uma pela base (parte mais grossa da raiz), desprezando-se o pedúnculo, que sendo muito lenhoso, não deverá fazer parte da raiz.

Produção de raízes

A colheita de raízes por unidade de área cultivada é variável e dependente, logicamente, da fertilidade natural do solo ou da adubação, da variedade cultivada, da idade da cultura, dos tratos culturais, do estado fitossanitário etc. Em geral, consideram-se boas e econômicas produções ao redor de 30 e 55 toneladas de raízes por alqueire, com um e dois ciclos vegetativos, respectivamente. Entretanto, tais produções precisam e podem ser superadas, o que já se tem conseguido em culturas bem conduzidas sob todos os aspectos.

Produção de ramas

As quantidades de ramas produzidas são variáveis, e pelas mesmas razões, quanto a produção de raízes. As diferentes variedades de mandioca, para cada 100kg de raízes que produzem, poderá produzir igual, menor ou maior quantidade de ramas, considerando o peso de toda a parte aérea praticamente sem folhas, por ocasião da colheita. É uma característica que depende da variedade. Considerando-se apenas as ramas boas para o plantio, pode-se obter de 50m3 ou mais de manivas, por alqueire.

Transporte de raízes

Uma vez destacadas, as raízes são amontoadas no campo, em diversos pontos. Por meio de jacás, elas são levadas a carroções ou caminhões, ou a eles atiradas com a mão, diretamente. Muitas vezes, esse transporte se faz através de dezenas de quilômetros, podendo as raízes, nesse percurso, perder até cerca de 5% do seu peso na forma de água.

Email:
Senha:


Esqueci Senha
Cadastre-se
Receba as notícias
© 2001 - 2013 Criar e Plantar - Todos os direitos reservados