Início Pecuária Agricultura Aquicultura Horticultura TV Criar e Plantar

Busca no Site

Seções

Cacau


Clima e Solo

Clima

O cacaueiro é muito exigente em calor e umidade. A sua cultura, do ponto de vista econômico, só é recomendável, em regra geral, nas regiões cuja temperatura média anual esteja em torno de 23 a 25ºC e a média anual das temperaturas mínimas ao redor de 21ºC. Temperaturas inferiores a 15ºC são sempre perigosas para a cultura. Do ponto de vista de umidade, considera-se como limite mínimo uma precipitação anual de 1250 mm, bem distribuído, com um período de estiagem não superior a 2 meses, todavia, precipitações superiores a 5.000mm são consideradas indesejáveis, pois contribuem para o aparecimento de fungos nocivos à cultura.

Da relação entre temperatura e chuva deve resultar um ambiente mais ou menos úmido, girando em torno de 80%, a média anual da umidade relativa, do ar.

Essas condições o cacaueiro encontra nas regiões intertropicais, entre altitudes variáveis de 300 a 600 metros e nas proximidades da linha equatorial entre 0 e 150 metros. No Brasil, as culturas mais afastadas do Equador estão localizadas a 19º L.S. (latitude sul), no Estado do Espírito Santo, no Vale do Rio Doce e a 22º LS., no Estado do Rio de Janeiro.

Solo

O cacaueiro é uma planta que prefere solos profundos, porosos e frescos; daí a razão pela qual os terrenos de mata terem sido os preferidos para a implantação de sua cultura. Do ponto de vista químico, são considerados melhores os solos cujo subsolo se apresente um pouco mais argiloso que o solo superficial, uma vez que nas condições climáticas atrás referidas, as perdas dos elementos solúveis por infiltração são elevadas. Tais perdas devem ser compensadas principalmente pelas adubações.

Quanto à acidez, o cacaueiro prefere os solos de pH próximo a 7; uma acidez até as proximidades de 5,5 parece não causar prejuízos consideráveis às plantas.

Em relação à topografia tanto se cultiva o cacau nas meia-encostas como nos vales dos rios. Nestes últimos, contudo, a produção por área é maior, mais constante e menos dispendiosa.

Preparo do solo

O processo mais usado de preparo do terreno coberto de mata é o mesmo empregado para outras culturas, como a do cafeeiro, citrus etc. Consta, em resumo, da roçada, da derrubada e da queima, após um período mais ou menos longo de seca; deste modo, facilita-se a instalação do cacaual e eliminam-se em sua maior parte, as pragas vegetais e animais. Todavia, a matéria orgânica é destruída em grande parte e a cinza resultante dentro de algum tempo desaparece pelas lavagens e pela erosão; as ervas más nestas condições encontram ambientes favoráveis para um desenvolvimento rápido e vigoroso.

Em conseqüência destas desvantagens advindas com a queima das matas, alguns proprietários não a fazem, embora este fato contribua a embaraços posteriores nos trabalhos de instalação da cultura, Noutras ainda, a adaptação do terreno se resume apenas na roçada, para facilitar a movimentação no interior da mata, e na eliminação de uma certa porcentagem de árvores, geralmente as maiores, pelo seu descascamento progressivo ou mesmo pelo seu corte. Nestas condições, conserva-se a matéria orgânica por maior espaço de tempo e garante-se uma sombra relativa à cultura.

Como inconveniente deste processo aponta-se o fato das árvores não derrubadas, descascadas ou não, ficarem sujeitas ao tombamento pelos ventos, e conseqüentemente quebrando plantas de cacau, pela caída dos seus ramos.

Em terreno já plantado com cacau ou outras plantas, recomenda-se cultivá-lo antes, por alguns anos, com uma cultura de proteção (sombreamento temporário), como é o caso da bananeira. Sem tal proteção, a instalação do cacaual torna-se problemática.

Email:
Senha:


Esqueci Senha
Cadastre-se
Receba as notícias
© 2001 - 2013 Criar e Plantar - Todos os direitos reservados